Empresa Fabril do Norte: Pioneira em Portugal a Produzir Carrinhos de Linhas de Algodão | por André Silva

andre_silva

Ruína da Empresa Fabril do Norte

Patrícia Marcos, 2014

 

Situada nas imediações do Norteshopping, mais precisamente num terreno agora descampado, entre o Jardim das Sete Bicas e a linha do metro encontra-se a ruína de uma fábrica que ali se impõe na paisagem através da corpulência dos seus dois volumes e da alta chaminé. Trata-se do que ainda resta da Empresa Fabril do Norte, outrora popularmente conhecida como «fábrica dos carrinhos» por produzir os carrinhos de linhas utilizados na costura.

Esta fábrica foi inaugurada em 1907 por Delfim Pereira da Costa e foi ali que pela primeira vez em Portugal se começou a produzir os carrinhos de linhas de algodão que até então eram todos importados do estrangeiro. A magnitude desta fábrica foi de tal ordem que chegou a ter cerca de 3.000 operários.

O projeto de arquitetura da fábrica parece ter sido da autoria do Engenheiro Francisco Xavier Esteves. E através de uma fotografia de 1912 verificamos que esta parte do edifício agora em ruína já existia nesse ano e que o complexo industrial ocupava uma grande porção do quarteirão entre o Jardim das Sete Bicas e o caminho-de-ferro que fazia a ligação entre o Porto e a Póvoa de Varzim (hoje corresponde à linha do metro).

Pelos vestígios atuais constatamos que se tratava de uma fábrica com uma grande nobreza arquitetónica, como vemos pelo requinte dos seus vãos curvos emoldurados à volta com granito e preenchidos por vidros suportados por uma delicada estrutura em ferro. No interior destes edifícios encontram-se ainda grandes peças de arqueologia industrial fixas ao betão armado da laje. A qual contempla amplas aberturas que nos permitem ver a cave que ali se encontra.

Para quem tiver curiosidade em saber exatamente o que são os carrinhos de linhas que esta fábrica produzia basta deslocar-se até ao Norteshopping e estacionar, por exemplo, na cobertura a partir de onde, entrando pela zona do ginásio, encontrará uma máquina de fazer rendas que era carregada precisamente com o tipo de carrinhos de linhas que falamos.

 

Bibliografia: CORDEIRO, José, “A Indústria do Linho na Bacia do Ave: A Empresa Fabril do Norte e a Central de Maceração da Trofa (1943-1979)”, Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e Museu da Industria Têxtil da Bacia do Ave, 2008; “Projecto de Lei n.º 395/ X – Elevação da Vila da Senhora da Hora à Categoria de Cidade”, Assembleia da República, 13 de Julho de 2007.