Registos da directora da Casa da Roda do Porto disponíveis no Arquivo Distrital

 

O Arquivo Distrital do Porto (ADP) apresentouarquivo_distrital do Porto na sexta-feira o projeto “Partes da Diretora”, um novo arquivo documental que disponibiliza para consulta pública informação sobre a Casa da Roda do Porto/Hospício dos Expostos do Porto.

Este projeto, cofinanciado pela Fundação Calouste Gulbenkian, reúne 6.063 processos, constituídos pelos relatórios diários que a diretora da Casa da Roda enviou aos responsáveis pela instituição, entre 1813 e 1884 (com algumas lacunas cronológicas), bem como bilhetes e mais de “500 sinais”, objetos deixados com as crianças e que alegadamente serviriam para as identificar mais tarde.

Com este projeto, o ADP “disponibiliza para consulta na sua base ‘online’ uma nova área de trabalho”, destacou hoje à Lusa Maria João Pires de Lima, diretora deste arquivo distrital.

Maria João Pires de Lima referiu que o projeto inclui um vasto conjunto de documentos que pertenciam à Assembleia Distrital do Porto e que se encontravam em más condições.

“Cada um dos relatórios [da diretora da instituição] é muito rico”, sublinhou, acrescentando que foi preciso um ano para a concretização do trabalho.

Com a aprovação do projeto foi possível contratar recursos humanos e adquirir material de conservação e restauro adequado para garantir as condições necessárias à estabilidade físico-química e às exigências individuais de todos os materiais.

Segundo Maria João Pires de Lima, a par da disponibilização deste novo arquivo, o ADP vai promover na sexta-feira uma conferência que incluirá uma contextualização sobre as memórias da instituição, seguindo-se a apresentação técnica do projeto “Partes da Diretora”.

O ADP vai ainda mostrar ao público a partir de sexta-feira, e até ao dia 06 de novembro, parte dessa diversidade de materiais que foram tratados no âmbito deste projeto e outros livros sobre a Casa da Roda, sendo a entrada livre.

Quer os registos descritivos já criados, quer as 7.643 imagens digitais, de cerca de 9.000 peças digitalizadas, podem ser consultados na área de pesquisa da página na internet do ADP.

A Casa da Roda do Porto foi criada em 1680 com o objetivo de dar refugio e amparo às crianças abandonadas, mas com o tempo foi ganhando novas competências, como “a lactação dos não-enjeitados e a criação de crianças, que apesar de não terem sido abandonadas voluntariamente, adquiriram a condição de expostas”.

Em 1865 a instituição foi denominada Hospício dos Expostos do Porto, mantendo-se sob administração da Câmara Municipal do Porto. Já em 1879, a Junta Geral do Distrito tomou posse da instituição.

JAP // JGJ

Lusa/Fim