Áustria evita entregar obra-prima de Klimt roubada pelos nazis

 

Uma das mais preciosas obras de arte da Áustria, o Friso de Beethoven, ficará por agora no país, depois de especialistas terem hoje rejeitado o pedido de restituição dos descendentes dos ex-proprietários, judeus a quem os nazis a roubaram.

O Conselho Consultivo para a Restituição de Arte “recomendou por unanimidade a não-devolução do ‘Friso de Beethoven’, de Gustav Klimt, aos herdeiros de Erich Lederer”, disse o presidente daquele organismo, Clemens Jabloner, à imprensa em Viena.

O fresco, com 34 metros de comprimento, dois metros de altura e pesando várias toneladas, é considerado uma das principais obras-primas da ‘art nouveau’ vienense do início do século XX.

O painel de especialistas rejeitou os argumentos de que uma proibição de exportação tinha obrigado Lederer a vender a obra ao Estado austríaco em 1972, ao preço classificado pelos seus herdeiros como ‘de saldo’ de 15 milhões de xelins ou cerca de 750.000 dólares (691.000 euros).

Fonte: Diário Digital

Artigo completo