Mosteiro da Batalha: Centro de Interpretação fechado há um ano após investimento de 700 mil euros

mosteiro-batalha(2)

O Centro de Interpretação do Mosteiro da Batalha, investimento de 700 mil euros inaugurado em março de 2012, está fechado há cerca de um ano por problemas técnicos, mas o diretor do monumento garante empenhamento para a sua reabertura.

«A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) está seriamente empenhada na resolução do problema, para que este importante equipamento cultural volte a reabrir nas devidas condições», disse hoje à agência Lusa o diretor do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, Joaquim Ruivo.

O responsável explicou que os problemas que «desde sempre» afetaram o Centro de Interpretação do Mosteiro «e que originaram o seu encerramento há cerca de um ano têm sobretudo origem nos automatismos que controlam os equipamentos multimédia».

«É uma questão tecnicamente complexa, que tem muito a ver com as condições ambientais do local, nomeadamente com o elevado teor de humidade relativa existente», esclareceu Joaquim Ruivo.

O diretor do monumento adiantou que a semana passada decorreu no mosteiro uma reunião técnica convocada pela DGPC, «com a presença do subdiretor-geral, de elementos da equipa projetista e de técnicos» desta entidade.

«Foram analisados em detalhe os problemas existentes, tendo-se concluído pela necessidade de simplificar todo o sistema de comando multimédia, bem como proceder às necessárias adaptações e ajustes tendo em conta as condições ambientais do espaço», afirmou Joaquim Ruivo.

Acrescentando estar «prevista no orçamento [da DGPC] de 2015 uma verba destinada à resolução dos problemas do Centro de Interpretação», o responsável revelou-se esperançado de que estes sejam superados ainda este ano, mas escusou-se a indicar uma data para a reabertura do espaço.

O Centro de Interpretação, integrado no circuito de visita do monumento, pretende proporcionar um novo olhar sobre o mosteiro, possibilitando aos visitantes uma melhor compreensão dos seus espaços, da sua evolução construtiva e da sua contextualização histórica e simbólica.

Fonte: Diário Digital com Lusa