Pavilhão de Portugal está à venda

pavilhao_portugal

 

A imobiliária Altis Real – Fenalu é a mais recente imobiliária a tentar vender o Pavilhão de Portugal a grandes empresas internacionais e a fundos de investimento, neste caso pela módica quantia de 22 milhões de euros, noticia esta quarta-feira o jornal «A Capital».

Segundo Maria Santana, responsável da empresa citada pelo jornal, à semelhança de qualquer outro edifício, esta agência mostra fotografias, a localização e acessibilidades ao Pavilhão, a área total e de cada piso, o estacionamento e as plantas detalhadas de todo o edifício.

«A Capital» adianta que há outra empresa envolvida no processo de venda do famoso edifício. A empresa Aguirre e Newman tenta há dois anos vender o Pavilhão de Portugal junto de potenciais interessados, sendo que actualmente já não faz a promoção do espaço, dado que todos os eventuais interessados já têm conhecimento da disponibilidade do espaço.

Fonte da direcção da Parque Expo, em declarações ao jornal, nega que o Pavilhão de Portugal tenha sido posto à «venda no mercado como qualquer edifício» e mostra-se «chocada e surpreendida» com a acção das imobiliárias.

A Parque Expo reconhece, no entanto, que «há largos meses» houve contactos com mediadoras, mas para tentar vender outros três edifícios – o edifício administrativo do Parque das Nações, o antigo edifício do Centro de Comunicações e o edifício Lisboa.

A juntar a toda esta polémica, a bastonária da Ordem dos Arquitectos, Helena Roseta, lembra que o imóvel está em processo de classificação pelo Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) não podendo ser vendido sem o seu conhecimento.

O Pavilhão de Portugal foi arquitectado por Siza Vieira e tornou-se no símbolo da Expo98 em Lisboa, em grande parte devido à famosa pala que enquadra o edifício.

Fonte: TSF