Quatro projetos portugueses nomeados para os prémios Mies van der Rohe

museu_macna

MACNA – Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, em Chaves

O projeto da britânica Amanda Levete para o Museu de Arte Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Belém; O projeto do atelier Aires Mateus para a sede da EDP, bem perto, na Av. 24 de Julho; O Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, em Chaves, projeto de Álvaro Siza Vieira. E uma moradia em Oeiras, de Pedro Domingos. São estes os quatro projetos finalistas portugueses dos prémios de arquitetura Mies van der Rohe.

O júri é constituído por sete membros, entre os quais um português: Stephen Bates, Gonçalo Byrne, Peter Cachola Schmal, Pelin Dervis, Dominique Jakob, Juulia Kauste e Magorzata Omilanowska. As 40 obras selecionadas “destacam as oportunidades e tendências do território europeu atual: cidades, habitação, património e memória”, refere a organização em comunicado.

Segundo a organização, os 5 finalistas serão anunciados em meados de fevereiro e os vencedores e vencedor emergente em meados de maio. A cerimónia de entrega do prémio terá lugar no Pavilhão Mies van der Rohe de Barcelona, em 26 de maio de 2017. Os 5 edifícios vencedores e a obra vencedora do arquiteto emergente estarão abertos ao público para que todos possam desfrutar e saber mais sobre eles com os seus autores e críticos.

O prémio, no valor de 60 mil euros, instituído em 1987 pela Comissão Europeia e pela Fundação Mies van der Rohe, com sede em Barcelona, é considerado um dos galardões de maior prestígio na área da arquitetura.

Fonte: DN