Museu do Oriente

18_maio_2017

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS 2017

18 Maio |Entrada e visitas gratuitas

Associando-se às comemorações do Dia Internacional dos Museus, o Museu do Oriente oferece entrada e visitas gratuitas quinta-feira, 18 de Maio. Sob o tema lançado pelo ICOM – Museus e histórias contestadas: Dizer o indizível nos Museus – organizamos visitas orientadas às colecções que tornam audíveis controvérsias que atravessam a História, próxima e distante.

10.00 às 18.00 | Entrada gratuita
Visitas gratuitas, mediante inscrição | Duração 60’/cada | Participantes máx.25/cada

11.00 | AS FLORES DO MAL – TABACO E ÓPIO
Durante muito tempo as drogas foram consideradas remédios. A papoila, planta do ópio, conhecida há mais de oito mil anos, foi indicada por Hipócrates, o pai da medicina, para a cura de diversas doenças. São muitas as razões que levam à difusão do ópio e do tabaco e se há uma intenção terapêutica para a sua utilização, a causa é sobretudo económica. Mas afinal qual o significado medicinal da utilização do tabaco e do ópio? Como e por quem seriam consumidos? Que repercussões encerra este consumo?

12.00 | A ÓPERA CHINESA DURANTE A REVOLUÇÃO CULTURAL
Entre 1966 e 1976, Mao Zedong lança reformas sociais que haveriam de ficar conhecidas como a Grande Revolução Cultural do Proletariado. O teatro torna-se num teatro social, com um marcado papel educativo e de doutrinação. Os heróis deixam de ser imperadores, reis e generais para passarem a ser trabalhadores, camponeses e soldados que servem o povo. Com a morte de Mao em 1976, os antigos temas da ópera tradicional reapareceriam pouco a pouco, sob a influência de Deng Xiaoping, grande admirador do teatro clássico.

15.00 | KAKURE KIRISHITAN
Kakure kirishitan significa cristão oculto. A chegada dos portugueses ao Japão em 1543 abriu a porta ao Cristianismo, sendo São Francisco Xavier o seu primeiro preconizador. Aos jesuítas, viriam a juntar-se outras ordens religiosas. No entanto, após o que ficou conhecido como o “Século Cristão do Japão”, seguiu-se a expulsão das ordens religiosas e um período de perseguições que empurrou os japoneses cristãos para a clandestinidade. Sem liberdade de culto, foi um forte sentido comunitário que permitiu que a fé fosse vivida em segredo, até à segunda metade do século XIX.

17.00 | A TRANSFIGURAÇÃO DO CORPO
Em “O Olhar da Sibila – Corporalidade e Transfiguração” é-nos sugerida uma abordagem contemplativa que permite experimentar uma dicotomia mística entre diversidade e convergência face à temática da transformação do corpo. Numa viagem a esta metamorfose, encarnando os poderes proféticos das sibilas, surpreender-nos-emos com a interpretação de vários artistas, aqui traduzida em oitenta e uma obras.