Templo Romano de Évora surge de “boa saúde” depois de quatro meses de obras

evoravora

O Templo Romano de Évora, datado do século I depois de Cristo (d.C.), vai voltar a estar como nos postais turísticos e “melhor de saúde”, após quatro meses de obras de conservação e restauro.

Os andaimes e o estaleiro começam a ser desmontados na quarta-feira e o monumento fica sem sinais das obras na próxima semana, revelou hoje Rafael Alfenim, arqueólogo da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlen).

O responsável, que falava à margem de uma visita de jornalistas ao monumento, indicou que as obras permitiram “resolver as situações mais críticas”, nomeadamente o risco de queda de fragmentos de alguns capitéis.

“Esta intervenção foi para melhorar o seu estado de conservação e prolongar-lhe a vida. Ficou de melhor saúde do que estava anteriormente”, resumiu Maria Fernandes, da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

(…)

O Templo Romano de Évora, datado do século I depois de Cristo (d.C.), vai voltar a estar como nos postais turísticos e “melhor de saúde”, após quatro meses de obras de conservação e restauro.

Os andaimes e o estaleiro começam a ser desmontados na quarta-feira e o monumento fica sem sinais das obras na próxima semana, revelou hoje Rafael Alfenim, arqueólogo da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlen).

O responsável, que falava à margem de uma visita de jornalistas ao monumento, indicou que as obras permitiram “resolver as situações mais críticas”, nomeadamente o risco de queda de fragmentos de alguns capitéis.

“Esta intervenção foi para melhorar o seu estado de conservação e prolongar-lhe a vida. Ficou de melhor saúde do que estava anteriormente”, resumiu Maria Fernandes, da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Fonte: DN

Artigo completo (+)