Processo de inventariação da Coleção SEC já está em curso

DGPC

A “Coleção SEC”, que se encontrava afeta à Direção-Geral das Artes (DGArtes), passou em julho para a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que ficou incumbida de a localizar e inventariar, segundo um despacho publicado na altura em Diário da República.

Contactada pela agência Lusa sobre o ponto da situação da medida, fonte do gabinete do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, indicou que “já foi constituído um grupo de trabalho e o processo de inventariação já está a decorrer”.

De acordo com o despacho n.º 6313/2017, na altura assinado pelo ministro da Cultura, a coleção, que se encontrava afeta à Direção-Geral das Artes (DGArtes), passou, desde 11 de julho deste ano, para a responsabilidade da DGPC.

O documento determina que a DGPC deverá, “com a colaboração da Direção-Geral das Artes, proceder à localização e ao inventário das obras da Coleção SEC”, e à “análise e avaliação dos protocolos, de depósito, comodato e de cedência, existentes”.

Iniciada em 1976 e, fruto da sucessiva criação, extinção e fusão de vários serviços e organismos culturais, a coleção é composta por mais de um milhar de obras de arte que se encontram dispersas por diversas instituições e organismos, na sequência da celebração de protocolos de depósito, de comodato ou de cedência.

(…)

Fonte: DN