Campus Internacional de Escultura Contemporânea na Guarda

biblioteca_publica_guarda

Há escultura contemporânea para ver no bosque da Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL) e do Centro de Estudos Ibéricos, na Guarda, agora transformado num novo espaço expositivo da cidade mais alta.

As onze obras patentes neste campus foram criadas no último Simpósio Internacional de Arte Contemporânea da Guarda. São esculturas em mármore e ferro da autoria de Milena Taneva (Bulgária), Elena Saracino (Itália), Kei Nakamura (Japão), Nils Hansen (Alemanha), José A. Elvira (Espanha), Susana Piteira, Alexey Kanis (Rússia), David Léger (França), Thierry Ferreira (França/Portugal), Florencio Maíllo (Espanha) e Masa Paunovic (Sérvia). Segundo a autarquia, neste “museu” ao ar livre o cidadão é convidado «a usufruir da arte em contexto de lazer e reapropriação do espaço», num diálogo «entre o elemento paisagístico e o criativo». O objetivo é aumentar a atração turística da Guarda, que está a preparar uma candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027 e quer «afirmar-se cada vez mais como uma Capital da Cultura na região Centro e no país», mas também destacar-se do outro lado da fronteira. O Campus Internacional de Escultura Contemporânea foi inaugurado nas comemorações do 25 de Abril. Na ocasião foi assinado um convénio de colaboração cultural com o município de Santa Marta de Tormes (Salamanca).

Fonte: O Interior