Descoberto o “último fugitivo de Pompeia”

117

pompeia

Mais de meio século depois da última escavação em Pompeia, e no 270.º aniversário das primeiras escavações, a antiga cidade romana a 22 quilómetros de Nápoles, na Itália, voltou a ser explorada. E foram descobertos novos objetos, esculturas, moedas, inscrições e também vítimas da erupção vulcânica que enterrou a cidade no ano 79 depois de Cristo.

O ABC visitou as escavações, que estão a decorrer numa área de pouco mais de mil metros quadrados, com o arqueólogo Francesco Muscolini, a falar sobre as descobertas mais marcantes.

(…)

Uma das novidades foi a descoberta do “último fugitivo de Pompeia”, o esqueleto de um homem que ficou preso na cidade enquanto tentava escapar à destruição. Em cima do esqueleto, na zona da cabeça, está um grande bloco de pedra. “Fizemos todas as análises possíveis, que nos vão permitir descobrir de onde é que ele veio, a sua idade, a sua dieta, as suas doenças, a forma como morreu e como foram os últimos momentos da sua vida”, explicou o arqueólogo. Este homem terá fugido com uma pequena bolsa no peito com vinte denários de prata (moeda romana) e algum bronze, o que indica que teria um salário médio semelhante ao de meio mês de uma família com três pessoas. “Ele tinha a chave de casa, na esperança de voltar”, revelou.

As investigações permitiram também descobrir um autêntico palácio, denominado de “Casa de Júpiter”, dedicada ao senador M.Nonio Balbo, um homem muito rico. A casa chama-se “Júpiter”.

(…)

As escavações no setor chamado “Região V” estão incluídas no Projeto Grande Pompeia, financiado em 105 milhões de euros pela União Europeia. Este é um projeto que, segundo o diretor do Parque Arqueológico, Massimo Osanna, está a ser uma “autêntica revolução”, pois veio alterar a forma como as escavações são feitas e dar uma segunda vida à antiga cidade. “Antes, grande parte de Pompeia estava encerrada ao público, porque não era segura. Agora, demos a segurança necessária a cada muro, a todas as casas e isso permitiu abrir áreas que estavam totalmente interditas”, acrescentou.

(…)

Fonte: Observador