Jardim Botânico do Porto candidato a prémio internacional

233

galeria_biodiversidade_porto

O Jardim Botânico do Porto acaba de ser nomeado para o Prémio de Arquitetura Contemporânea da União Europeia Mies van der Rohe 2019, com a reabilitação da Casa Andresen, onde se encontra instalada a Galeria da Biodiversidade – Centro Ciência Viva, a Casa Salabert, que acolhe o Café E-Learning, e das estufas de Franz Koepp.

Coordenado pelos arquitetos Nuno Valentim, Frederico Eça e Margarida Carbalho, o projeto é um dos cinco portugueses candidatos ao prémio europeu de arquitetura. Ao todo, foram avaliados 31 projetos relativos ao biénio 2017-2018, por um júri convidado pela Ordem dos Arquitetos (OA).

Nuno Valentim juntou-se a Frederico Eça e Margarida Carvalho, para recuperar a Casa Andresen, onde cresceu e viveu Sophia de Mello Breyner Andresen (bem como Ruben A.). Hoje, é um espaço onde se conjuga a história, arte, literatura, biologia e tecnologia, conhecida como Galeria da Biodiversidade – Centro Ciência Viva.