Museu da Resistência em Peniche vai poder ser visto dia 27 de abril de 2019

forte_peniche

O ministro da Cultura reiterou na passada sexta-feira, no Porto, que no próximo dia 27 de abril de 2019 vai ser possível mostrar a obra do Museu Nacional de Resistência e Liberdade, da Fortaleza de Peniche (Leiria), mesmo que “a obra esteja em progresso”.

“Estamos a trabalhar de uma forma muito séria e muito empenhadamente e no dia 27 de abril de 2019 certamente poderemos apresentar ao público a obra, mesmo que esteja em progresso”, declarou à Lusa o ministro da Cultura, Castro Mendes, à margem da sessão das Jornadas Europeias do Património, que decorreu na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

O ministro considerou que o Museu Nacional de Resistência e Liberdade da Fortaleza de Peniche iria ser um “grande lugar de história de memória”.

Foi criada este ano uma Comissão de Instalação dos Conteúdos e da Apresentação Museológica (CICAM) para o futuro Museu Nacional da Resistência e da Liberdade que é composta pela diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, e pelo presidente da Câmara Municipal de Peniche, Henrique Bertino.

Da CICAM fazem ainda parte Adelaide Pereira Alves, Manuela Bernardino (do PCP), os ex-presos políticos Domingos Abrantes, Fernando Rosas, José Pedro Soares (também membro da União dos Resistentes Antifascistas Portugueses) e Raimundo Narciso (representante do movimento cívico “Não Apaguem a Memória”). A estes juntam-se, desde o despacho de hoje, o historiador José Pacheco Pereira.

A fortaleza, classificada como Monumento Nacional desde 1938, foi uma das prisões do Estado Novo de onde se conseguiu evadir, entre outros, o histórico secretário-geral do PCP Álvaro Cunhal, em 1960, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate ao regime de ditadura (1926-1974).