França vai restituir 26 obras de arte ao Benim

164

O Presidente francês, Emmanuel Macron, decidiu restituir, “sem demoras”, 26 obras de arte reclamadas pela República do Benim, tomadas como saque pelo Exército francês, em 1892, durante a guerra civil. O anúncio desta decisão foi feito esta sexta-feira, depois de conhecido o relatório sobre a restituição, pela França, de obras africanas de arte.

O Chefe de Estado gaulês tinha-se comprometido no ano passado a analisar estas restituições, e propõe agora “reunir em Paris, no primeiro trimestre de 2019, um conjunto de parceiros europeus e africanos”, para definir o quadro de uma “política de mudança” relativamente às das obras de arte.

As conclusões do relatório “Savoy-Sarr”, a cargo da historiadora de arte francesa Bénédicte Savoy, do Collège de France, e do economista senegalês Felwine Sarr, autor do livro “Afrotopia”, foram apresentadas esta sexta-feira ao Presidente francês e propõem a restituição de mais de 90 mil peças, a maioria depositada no Museu do Quai Branly-Jacques Chirac, em Paris.

Neste museu, segundo o relatório “Savoy-Sarr”, encontram-se dois terços das obras (perto de 60.000), das quais 46.000 foram trazidas entre 1885 e 1960, pelo que são suscetíveis de devolução, segundo o documento.

Mais de 20.000 obras, das 90.000 cuja devolução se propõe, estão dispersas por outros museus, em particular em cidades portuárias, atesta o levantamento. Este número não inclui, todavia, os milhares de objetos espalhados por museus das missões científicas, que reúnem as peças recolhidas em África.

O relatório cita ainda outros grandes museus europeus, que também têm coleções africanas, entre os quais o Museu Real da África Central da Bélgica (180.000 peças), o Museu Britânico (69.000), o Weltmuseum/Museu do Mundo de Viena (37.000) e o futuro Fórum Humboldt de Berlim (75.000). De acordo com o documento, as coleções em museus nacionais africanos raramente excedem 3.000 obras, muitas vezes de pouco valor artístico.

Em Portugal, não há listagens de obras de arte vindas dos antigos territórios sob administração portuguesa, e o investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra António Pinto Ribeiro disse, na quinta-feira, em Paris, que esse é um “problema gravíssimo”.

(…)

Observador