DGPC abre processo de classificação para canhões encontrados em Ferragudo

43

A Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) publicou em Diário da República a abertura da classificação de dez canhões provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada na Ponta do Altar, em Ferragudo, no Algarve.

Os dez canhões em bronze, com quase três metros de comprimento cada, conjuntamente com outras evidências arqueológicas, nomeadamente um canhão de ferro que permaneceu no local, “permitiram reconhecer um contexto de naufrágio, ainda que disperso, de um navio que terá estado ao serviço da Coroa de Espanha e que se terá perdido numa manobra mal sucedida de entrada ou saída na barra do rio Arade, constituindo, segundo os especialistas, uma das mais significativas coleções de artilharia em bronze dos inícios do século XVII, na dinastia Filipina”, referiu em fevereiro a DGPC, quando deu conta da proposta de classificação.

O sítio arqueológico da Ponta do Altar situa-se na freguesia de Ferragudo, concelho de Lagoa. A descoberta do primeiro destes exemplares remonta à década de 1990.

Três dos canhões encontram-se depositados e podem ser vistos no Museu de Portimão, tendo sido temporariamente cedidos àquele município pela DGPC, enquanto as restantes bocas-de-fogo se encontram à guarda da DGPC, nas reservas do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática (CNANS).