Câmara e empresários da Marinha Grande apostam no turismo industrial e tecnológico

613

A Câmara Municipal da Marinha Grande vai lançar uma rede de “Circuitos Industriais“, roteiros turísticos que integram visitas às empresas dos setores do vidro, dos moldes e plásticos, disse à Lusa a vereadora Cidália Ferreira.
(…)
A vereadora Cidália Ferreira, por seu lado, frisou a necessidade de “descobrir novos incentivos que resultem em progresso e desenvolvimento do concelho”, o que, na sua ótica, “passa por trabalhar em conjunto com os empresários, para dar a volta e vencer a crise”.
O lançamento destes circuitos, enfatizou, é uma reposta que quer “conjugar a preservação do espólio industrial com a divulgação de unidades fabris e centros tecnológicos, bem como dinamizar a economia e o potencial turístico do concelho”.
A vereadora e técnicos da autarquia da Divisão da Cultura e Turismo reuniram já com representantes de entidades e empresas ligadas aos setores do vidro, moldes e plásticos.
O projeto irá arrancar “ainda este ano”, segundo o município.

Fonte: As Beiras

A Câmara Municipal da Marinha Grande vai lançar uma rede de “Circuitos Industriais“, roteiros turísticos que integram visitas às empresas dos setores do vidro, dos moldes e plásticos, disse à Lusa a vereadora Cidália Ferreira.

“Ninguém ficará indiferente após uma visita às nossas fábricas”, sublinhou a autarca, explicando que a ideia “é proporcionar às pessoas uma maior consciência do que vale o concelho da Marinha Grande, no seu todo”, ligando “a indústria à parte cultural, ambiental, comércio e gastronomia”.

O diretor do CENTIMFE – Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos, Rui Tocha, revelou que “este é um desejo muito antigo, o de apostar naquilo a que se chama de turismo tecnológico” e que, no caso dos moldes “será como visitar o supermercado da indústria portuguesa”.

Rui Tocha sustentou que tendo a indústria de moldes e plásticos da Marinha Grande apostado “na estratégia de desenvolver qualquer produto à escala mundial, estes roteiros, se forem bem organizados, são atividades complementares que poderão ajudar passar essa imagem”.

O proprietário da Inteplástico, Jorge Martins, não espera vender “nem mais uma peça” com estas visitas, mas acredita que os circuitos “possam dar outra imagem do concelho e da indústria”.

O que “é importante”, uma vez que “a esmagadora maioria das pessoas não sabe o que se faz nesta terra, nem as tecnologias que são utilizadas”.

A vereadora Cidália Ferreira, por seu lado, frisou a necessidade de “descobrir novos incentivos que resultem em progresso e desenvolvimento do concelho”, o que, na sua ótica, “passa por trabalhar em conjunto com os empresários, para dar a volta e vencer a crise”.

O lançamento destes circuitos, enfatizou, é uma reposta que quer “conjugar a preservação do espólio industrial com a divulgação de unidades fabris e centros tecnológicos, bem como dinamizar a economia e o potencial turístico do concelho”.

A vereadora e técnicos da autarquia da Divisão da Cultura e Turismo reuniram já com representantes de entidades e empresas ligadas aos setores do vidro, moldes e plásticos.

O projeto irá arrancar “ainda este ano”, segundo o município.