O Farol de São Miguel o Anjo (um dos faróis mais antigos da Europa), por André Silva

2957

Farol de São Miguel-o-Anjo

Foto: Nuno Silva, Março de 2013

Na Foz do Douro encontra-se um dos faróis mais antigos da Europa praticamente intacto que tem ainda a particularidade de ser a primeira estrutura arquitetónica portuguesa construída para esse fim e de ser também um dos primeiros edifícios renascentistas erguidos em Portugal. O farol de São Miguel-o-Anjo foi construído em 1528 sob o projeto do arquiteto italiano Francesco Cremona e consiste numa pequena torre de planta quadrangular com um interior organizado a partir de um polígono octogonal que é coberto por uma pequena cúpula. Nos seus alçados é facilmente notória a típica tripartição clássica: as paredes assentam num embasamento jónico e são rematadas por um entablamento que contém uma discreta arquitrave, friso com inscrições e cornija.

Localizado num avanço de terra sobre o Douro, imediatamente antes do correr de palmeiras que caraterizam o jardim do Passeio Alegre, a sua visualização encontra-se obstruída do lado de terra por dois edifícios construídos em meados do século XIX – a Torre do Semáforo e a Corporação dos Pilotos da Barra do Douro – que taparam a porta de entrada, que dava para um terreiro quadrado limitado por um muro, e uma janela que se situava no alçado oposto ao que hoje ainda contempla uma janela com uma moldura retangular clássica.

São raros os exemplares de arquitetura renascentista em Portugal. Só no reinado de D. João III é que progressivamente o estilo manuelino foi sendo substituído pelos estilos de inspiração clássica que então predominavam na Europa. Este farol é só dez anos mais novo que a torre de Belém e foi mandado erguer pelo bispo D. Miguel da Silva, uma personalidade de grande prestígio no Vaticano onde era tido como digno de ocupar o lugar de São Pedro, onde, contra a vontade do monarca português, foi elevado à dignidade de cardeal. Este monumento constitui assim um dos raros exemplares do renascimento português e encontra-se ainda relacionado com uma das personalidades de maior prestígio do seu tempo.

 

Bibliografia: BARROCA, Mário Jorge. “Fortificações do Litoral Portuense”. INAPA, Lisboa, 2001.