“Casa onde nasceu Almeida Garrett: no Porto a 4 de Fevereiro de 1799”, por André Silva

6225

Casa onde nasceu Almeida Garrett

Foto: Patrícia Marcos, 2014

 

Almeida Garrett, um dos expoentes máximos da literatura romântica portuguesa, nascera no Porto, numa casa que ainda hoje existe: a n.º 37 da Rua Dr. Barbosa de Castro que, para quem se encontra no Jardim da Cordoaria, começa entre o Tribunal e a Igreja das Taipas e desce até ao Passeio das Virtudes. Neste sentido encontramos na ala direita da rua um edifício com uma lápide neoclássica que diz: “Casa onde nasceu aos 4 de Fevereiro de 1799 João Baptista da Silva Leitão Almeida Garrett”, ali mandada colocar pela Câmara Municipal em 1864.

            Trata-se de uma casa construída na segunda metade do século XVIII, durante a reforma urbanística dos Almadas. Contém quatro pisos, com três vãos em cada – com exceção do primeiro que alberga a citada lápide – simetricamente alinhados verticalmente.        Como é típico nas casas do Porto desta altura os vãos são separados por paredes de larguras mínimas e, neste caso, têm a particularidade de serem rematados por lintéis curvos que se ligam nos pisos intermédios a um singelo entablamento rematado por uma varanda; no último piso o remate dos vãos é feito pela cornija da platibanda. As paredes de todos os pisos seriam revestidas por azulejo verde, igual ao atualmente existente nos pisos inferiores e, segundo uma gravura do século XIX, esta casa teria ainda uma água furtada.

            Almeida Garrett é uma das personalidades mais homenageadas no Porto, como são exemplos flagrantes a estátua da sua pessoa em lugar de destaque na Avenida dos Aliados e a biblioteca municipal batizada com o seu nome. O seu percurso de vida caraterizou-o por ter sido um fervoroso defensor das ideias liberais que o levaram ao exílio para Inglaterra, onde tomou contato com os ideais românticos que caraterizam as suas obras literárias. Instalada a monarquia constitucional, que ajudou a construir, acabou por ocupar importantes cargos políticos e diplomáticos e contribuiu de forma decisiva para a renovação teatro português.

 

Bibliografia: Arquivo Histórico Municipal do Porto, “Casas do Porto: Século XIV ao XIX”; Biblioteca Nacional de Portugal, <http://purl.pt/96/1/bio/iconografia.html> [23/12/2013]; FERRÃO, Bernardo, “Projecto e Transformação Urbana do Porto na Época dos Almadas, 1758-1813”, Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, 1997.