Prémio miles Van der rohe atribuído a Auditório da Filarmónica de Szczecin, na Polónia

4818

filarmonica_miles_van

Edifício assinado pelo italiano Fabrizio Barozzi (1976) e pelo espanhol Alberto Veiga (1973) foi o escolhido pelo júri do Prémio Mies van der Rohe. Os vencedores desta edição foram anunciados na sexta-feira de manhã em Barcelona. O Auditório da Filarmónica de Szczecin, na Polónia, fazia parte de uma lista de cinco finalistas que integrava ainda o Museu de Artes de Ravensburg, o Museu Marítimo Dinamarquês, a Adega Antinori e o Centro Estudantil Saw Swee Hock.

O projecto polaco da dupla Barozzi/Veiga é composto por um auditório para 1000 espectadores, uma sala para música de câmara com capacidade para 200 pessoas, um espaço multifunções para exposições e conferências e um enorme foyer. Construído no local onde existiu uma grande sala de concertos, destruída durante a Segunda Guerra Mundial, o novo complexo fica próximo do centro histórico desta cidade portuária, contexto que não poderia deixar de o influenciar.

Explicam os autores do projecto, citados pelo ArchDaily, siteespecializado em arquitectura, que o edifício não pode dissociar-se do ambiente urbano que o acolhe, marcado pela verticalidade das torres residenciais, pela “volumetria pesada” das estruturas neoclássicas e pela monumentalidade das igrejas neogóticas, com os seus telhados de inclinação muito acentuada que, mesmo para o observador menos atento, parecem encontrar no novo auditório um eco evidente se não mesmo uma citação. Barozzi e Veiga definem-no como “um objecto brilhante, transparente e aprumado”.

Diz em comunicado o júri desta edição do Mies van der Rohe, presidido pelo arquitecto italiano Cino Zucchi, que o Auditório da Filarmónica de Szczecin “encontrou uma estratégia formal e espacial convincente numa cidade que luta por um futuro melhor” num cenário de transformação acelerado em termos económicos e sociais, “conferindo dignidade à vida urbana e, ao mesmo tempo, acrescentando à sua identidade histórica específica um ‘monumento’ contemporâneo”.

Fonte: Público

Artigo completo