Sebastião Resende expõe na Casa das Artes

177

A exposição «Quando se extinguiram o espaço ficou vazio», de Sebastião Resende (Oliveira de Azeméis, 1954), inaugura, na Casa das Artes, no próximo dia 9 de março, às 15h00.

A mostra, que fica patente até 15 abril, abre o ciclo “Animalidades e outras botânicas”, que irá decorrer até ao próximo ano, com curadoria de Óscar Faria e organização do Sismógrafo. Inclui não só um conjunto de nove maquetas de espaços expositivos de museus, os quais foram habitados por bichos-da-seda, que assim deixaram as suas marcas e corpos nos objectos agora revelados –, mas também uma série inédita de desenhos com a mesma temática.
Esta mostra dá continuidade ao projecto “Fecit Potentiam”, apresentado pela primeira vez no Sismógrafo, Porto, em 2014. Trata-se, esta, de uma investigação que o artista tem vindo a desenvolver desde 2004, dela resultando um vasto conjunto de materiais – maquetas, esculturas, fotografias, vídeos, desenhos, peças sonoras –, sendo esta a mais vasta apresentação deste corpo de trabalhos realizada até hoje.
O ciclo “Animalidades e outras botânicas”, através do qual se pretende reflectir acerca das interacções do humano com outras espécies, é formado por seis exposições, sendo que este ano ainda serão reveladas obras de Filipa Tojal (Junho) e Hernâni Reis Baptista (Setembro), e, em 2020, trabalhos de Manuel João Vieira, Francisco Pinheiro (West Coast) e a colectiva “murgos biliosos, caules de gisandra, líquenes, doenças vagarosas”.
Entrada livre.
Fonte: DRCN