Foi lançada a rota turística e de história viva do Porto Liberal

108

Mais de uma dezena e meia de locais, edifícios, monumentos, templos e ruas integram a “Rota PORTO LIBERAL”, que foi lançada neste sábado, 8 de julho, data em que há 185 anos se deu o desembarque de Mindelo.
Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa, promotora da ideia, Câmara do Porto, Museu Militar do Porto (Exército Português), Direção-Geral do Património Cultural, Santa Casa da Misericórdia do Porto (Museu e Igreja) e Direção Regional de Cultura do Norte são as seis instituições da cidade que, em sessão solene, se comprometeram com a criação de uma Rota do Liberalismo pela cidade do Porto.
Comprometeram e criaram, pois o primeiro passo da iniciativa está já materializado através da apresentação física (e digital) de um mapa onde constam elementos essenciais da cidade para se apreender a importância do Porto nos movimentos liberalistas ao longo da História.
Anunciada em fevereiro passado e concretizada neste 8 de julho – data em que no ano de 1832 as tropas de D. Pedro desembarcaram no Mindelo para entrarem no Porto e darem um dos importantes passos contra as forças absolutistas de D. Miguel – esta “Rota PORTO LIBERAL” está, contudo, “aquém e além do objetivo de dar a conhecer o Cerco do Porto”, antes assinalando lugares, edifícios, ruas, paisagens, coleções, memórias e outros elementos que permitirão a qualquer interessado “conectar-se com as pessoas que, no século XIX, fizeram Invicta esta que já era a ‘mui nobre e sempre leal’ Cidade do Porto”.
O protocolo agora assinado prevê, para tal, o empenho continuado dos intervenientes, de modo a não se ficar por uma declaração de intenções. Pelo contrário, irão promover ativamente a revisitação histórica dos acontecimentos ligados aos movimentos liberalistas e contribuir para a sua projeção na memória, coletiva e individual, conforme explicou o Professor Francisco Ribeiro da Silva, mesário da Irmandade da Lapa, entidade onde está depositado o coração de D. Pedro IV (I do Brasil) – O Rei Soldado, ícone do Liberalismo Português.
Este novo produto cultural baseado no património da cidade constitui, por isso “motivo de contentamento” para o presidente da Câmara, já que “vai permitir a quem nos visita, aqui reside ou estuda ficar a conhecer melhor este período histórico” através de elementos da arquitetura, do património, da arte pública e outros.
Fonte: Porto.