Santa Comba Dão quer abrir museu do Estado Novo e Salazar no fim do Verão

144

SalazarzAR

O Centro Interpretativo do Estado Novo deverá abrir dentro de três meses no Vimieiro, em Santa Comba Dão, terra onde nasceu António de Oliveira Salazar. A notícia foi avançada este sábado pelo semanário Expresso. A ideia de um museu dedicado a Salazar em Santa Comba foi alvo de um inquérito em 2016 em que a maioria das vítimas do Estado Novo era contra o projecto.

“Este será um local para o estudo da história do Estado Novo. Não um santuário destinado a nacionalistas nem um museu onde se vai diabolizar o estadista de Santa Comba Dão”, diz o presidente da câmara de Santa Comba Dão, Leonel Gouveia, ao Expresso.

O autarca eleito pelo PS não revela qual a direcção científica do projecto museológico nem os seus responsáveis, aludindo de acordo com o semanário à ligação do centro interpretativo a uma “Rota das Figuras Históricas” que, dissera o responsável há meses à Lusa, é um projecto com uma associação de desenvolvimento local.

(…)

Expresso noticia este sábado que as obras na antiga Escola-Cantina Salazar, junto à casa do antigo presidente do Conselho de Ministros e rosto da ditadura do século XX português no Vimieiro, devem começar “dentro de duas a três semanas”, citando o autarca Leonel Gouveia.

A autarquia detém agora a totalidade do espólio, bem como a casa onde nasceu Salazar, a adega e a sua quinta – não sem a sua dose de polémica, com o sobrinho-neto do ditador Rui Salazar de Melo ainda a dirimir argumentos na justiça com a autarquia por incumprimentos contratuais quanto a um terço desse espólio — e prevê instalar no Centro Interpretativo do Estado Novo conteúdos multimédia e interactivos e não apostando tanto em mostrar objectos pessoais do ditador, que deverão ficar reservados para exposição nos imóveis que pertenceram ao governante após sua recuperação.

Em Dezembro de 2018, Leonel Gouveia disse à Lusa que o orçamento do centro interpretativo era de “170 mil euros para a requalificação do edifício” e primeira fase da obra, que queria que tivesse sido inaugurada no início de 2019.

(…)

Fonte: Público

Artigo completo (+)