Bancos penhoram colecção Berardo

103

Joe Berardo

Foi esta segunda-feira decretado o arresto judicial da colecção Berardo. A providência cautelar decretada sobre a colecção de arte moderna do empresário, e que conduziu a este arresto, foi accionada judicialmente a pedido dos bancos credores, a Caixa Geral de Depósitos, o BCP e o Novo Banco. Estes bancos decidiram depositar nas mãos do Estado a salvaguarda das obras de arte que desde 2006 estão no Centro Cultural de Belém e são propriedade da Associação Colecção Berardo, através de protocolo assinado então entre esta associação, o empresário Joe Berardo e Isabel Pires de Lima, ministra da Cultura do Governo de José Sócrates. Caberá ao Estado continuar a suportar os custos da manutenção da colecção, nomeadamente os seguros.

A solução encontrada para procurar resolver a dívida de quase mil milhões de euros do empresário Joe Berardo aos três bancos e garantir que este não retirava obras de arte à colecção que está depositada no Centro Cultural de Belém foi encontrada após negociações mantidas entre os bancos credores e membros do Governo. A decisão agora conhecida vem na sequência da penhora dos títulos da Associação Colecção Berardo, decretada no início de Julho mas que não abrangeu o património artístico de que a associação é proprietária.

(…)

Fonte: Público

Artigo completo (+)