João Fernandes é o novo director do Instituto Moreira Salles

136

João Fernandes

João Fernandes é o novo director artístico do instituto Moreira Salles, no Brasil.

“Fernandes projetou-se no cenário internacional das artes como curador (entre 1996 e 2002) e diretor (de 2003 a 2012) do Museu de Serralves, na cidade do Porto, contribuindo decisivamente para transformar o magnífico espaço cultural do norte de Portugal num marcante endereço de arte contemporânea da Europa”, escreveu o instituto brasileiro, no anúncio do novo diretor, publicado no seu sítio, na Internet.

O Instituto Moreira Salles (IMS) recordou igualmente os sete anos de trabalho de João Fernandes como subdiretor do Museu Rainha Sofia, de Madrid, em Espanha, desde 2012 – um museu que privilegiou “uma arte mais criativa e insinuante”, sem ceder “à tentação de realizar grandes exposições ‘blockbusters’” –, e enumerou ainda algumas exposições promovidas pelo curador, como as retrospetivas dedicadas aos artistas Dara Birnbaum, Douglas Gordon, Grazia Toderi, Tacita Dean e Paula Rego, e aos brasileiros Antonio Manuel, Cildo Meireles e Lygia Pape.

Em declarações à Lusa, quando do anúncio do seu novo posto, no passado mês de maio, João Fernandes disse encarar a nova função como “um desafio fascinante”, destacando que, no IMS, está representado “muito do melhor que se fez e faz” em língua portuguesa.

À Lusa, João Fernandes disse então que o Brasil é “um país com formas extraordinárias de relação entre as culturas popular e erudita”, uma dimensão particularmente importante neste momento da sociedade brasileira, “um país muito polarizado”.

“É um lugar onde devo estar”, afirmou na altura João Fernandes, salientando que, no Brasil, é um desafio especial “tornar as coisas acessíveis a pessoas que muitas vezes não têm ideia do seu direito a conhecer a arte do tempo em que vivem”.

O facto de pessoas diferentes “nunca pensarem nem sentirem a arte da mesma maneira” é um dos pontos de partida para o trabalho que João Fernandes assume agora no instituto, cujos acervos e atividade destacou em áreas como a fotografia, o cinema ou a iconografia brasileira.

Fonte: PTJornal

Instituto Moreira Salles (+)