Tribunal recusa empréstimo do “Homem de Vitrúvio” de Da Vinci ao Museu do Louvre

140

Louvre

A Justiça italiana bloqueou o empréstimo a França de o “Homem de Vitrúvio”, de Leonardo Da Vinci, da Academia de Veneza, que o Louvre esperava incluir na exposição que assinala os 500 anos da morte do génio renascentista.

A obra, um dos mais conhecidos desenhos de Leonardo, estava anunciada para a exposição do museu parisiense, a inaugurar no próximo dia 24, e deveria ser enviada para a capital francesa antes da abertura da exposição, noticiaram os jornais italianos.

Justiça italiana bloqueou o empréstimo a França de o “Homem de Vitrúvio”, de Leonardo Da Vinci, da Academia de Veneza, que o Louvre esperava incluir na exposição que assinala os 500 anos da morte do génio renascentista.

A obra, um dos mais conhecidos desenhos de Leonardo, estava anunciada para a exposição do museu parisiense, a inaugurar no próximo dia 24, e deveria ser enviada para a capital francesa antes da abertura da exposição, noticiaram os jornais italianos.

O tribunal italiano aceitou a argumentação e suspendeu o memorando de entendimento firmado entre França e Itália, pois considerou que “viola o princípio do sistema jurídico pelo qual os gabinetes públicos se dividem em órgãos de direção e controlo, por um lado, e de execução e gestão”, por outro.

A decisão foi criticada pelo ministério italiano da Cultura. “A referência a uma suposta violação do ‘princípio do sistema legal pelo qual os funcionários públicos se distinguem em órgãos de administração e controlo, por um lado, e execução e administração, por outro’ é completamente incompreensível”, escreveu o ministério, em comunicado.

“O empréstimo para cada obra italiana já estava autorizado no momento da assinatura do acordo, que também prevê a troca de obras segundo as disposições específicas de proteção ditadas pelos museus [a que pertencem] individualmente”, acrescentou.

A troca destas obras já tinha sido objeto de controvérsia no ano passado, quando a Liga Norte, de extrema-direita, fazia parte do governo, juntamente com o Movimento 5 Estrelas (M5S).

Na altura, o governo italiano anunciou que não iria autorizar o empréstimo de obras para a exposição do Louvre, tendo a então subsecretária de Estado da Cultura, Lucia Borgonzoni, argumentado que “Leonardo era italiano, só morreu em França, pelo que dar ao Louvre todas essas pinturas seria colocar a Itália nas margens de um grande evento cultural”.

Presente na exposição do Louvre, em Paris, estará, porém, o desenho de Leonardo Da Vinci “Rapariga lavando os pés a uma criança”, da coleção da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP).

(…)

Fonte: TSF