Comissão apela à criação de Museu António Variações em 2020

97

António Variações

A Comissão Promotora de Homenagem a António Variações, criada em outubro de 2018 e que encerraria a sua missão este mês, vai prolongar os seus trabalhos até dezembro de 2020, anunciou, esta terça-feira, aquela estrutura.

Com um roteiro literário-musical em curso sobre o cantor e poeta nascido em Fiscal, concelho de Amares, aquela comissão prepara ainda uma possível concretização de um Museu António Variações, pedindo, para esse efeito, uma fase de “estreitamento de relações” entre familiares do cantor, as autarquias e as empresas da região.

Está ainda em curso a “argumentação” de uma proposta, a ser apresentada à Câmara de Braga, de nomear uma rua através do poeta, naquele concelho. Querem ainda agendar, com o Presidente da República, uma audiência para pedir a atribuição de ordem honorífica ao amarense.

Preparam, também, através de das duas bandas integrantes da comissão, partituras de músicas de António Variações.

“A imprensa nacional e internacional tem demonstrado interesse em publicar o conteúdo das propostas de condecoração ao cantor, enviadas para o senhor Presidente da República e [para] a Câmara de Amares”, explica a comissão, em comunicado.

“Algumas universidades estão também disponíveis para colaborar no estudo e divulgação da vida e obra, sempre em articulação com a família”, acrescenta a mesma nota.

Atualmente, esta comissão é formada pelos docentes Cândida Ramoa, Carlos Dobreira, Fabíola Lopes, Etelvina Sá e Paulo Almeida, o músico e ex-guitarrista dos Heróis do Mar, Paulo Pedro Gonçalves, a artista plástica Rueffa, a fadista Diana Mendes (radicada nos EUA), assim como a Banda Filarmónica de Santa Maria de Bouro (Amares), a Banda Cabeceirense (Cabeceiras de Basto) e a Banda Academia de Santa Cecília (Vila de São Romão – Serra da Estrela).

Fonte: O Minho