Porto celebra 200 anos da Revolução Liberal

233

Porto Liberal

A inauguração, na Casa do Infante, de uma exposição documental dedicada à Revolução Liberal vai marcar, no próximo dia 20 de Fevereiro, o arranque de um extenso programa de comemorações lançado pela Câmara do Porto para assinalar os 200 anos decorridos sobre essa madrugada do dia 24 de Agosto de 1820, quando a cidade, sublevada por um pronunciamento militar a que a população de imediato aderiu, proclamou a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino e deu o primeiro passo para edificar o Portugal moderno.

Apresentadas esta terça-feira nos Paços do Concelho pelo seu comissário-geral, o escritor e ensaísta Pedro Baptista, e pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, as comemorações do bicentenário da revolta vão estender-se ao longo de todo o ano e incluirão um congresso internacional de três dias, comissariado pelo historiador Gaspar Martins Pereira e organizado pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto – A Construção da(s) Liberdade(s) –, que decorrerá na Biblioteca Municipal Almeida Garrett em meados de Maio.

Inaugurando um programa que engloba perto de meia centena de iniciativas – entre colóquios, conferências, debates, lançamentos de livros, concertos, visitas guiadas ou sessões de cinema –, a exposição 1820. Revolução Liberal do Porto, comissariada pelo historiador José Manuel Lopes Cordeiro, que ficará na Casa do Infante até Setembro, construiu-se essencialmente em torno de fontes portuenses, quase sempre ignoradas por uma historiografia que tem tendido a menorizar o período em que a revolta não se estendera ainda a Lisboa, esses “40 dias que abalaram o país”, para usar uma expressão de Vital Moreira citada por Pedro Baptista durante a apresentação nos Paços do Concelho.

(…)

Fonte: Público

Artigo completo (+)