Mármores da Acrópole de Atenas nas negociações entre a União Europeia e o Reino Unido

100

Partenon Britishn Museum

A disputa de longa data entre a Grécia e o Reino Unido sobre a posse das esculturas de mármore do Pártenon entrou nas discussões sobre o futuro da relação entre a União Europeia e Londres depois do “Brexit”. Na versão mais recente da lista de exigências europeias para as negociações, que arrancam em Março, está incluída uma cláusula sobre “o retorno e a restituição de objectos culturais ilegalmente retirados aos seus países de origem” – uma frase introduzida por iniciativa de Atenas e que é vista como uma referência indirecta aos famosos Mármores de Elgin que estão no Museu Britânico de Londres.

O porta-voz do Governo da Grécia, Stelios Petsas, negou que a cláusula seja uma referência directa ou indirecta à disputa entre os dois países, mas admitiu aproveitar as negociações sobre o pós-“Brexit” para reforçar as exigências do país.

“O pedido da Grécia para o retorno dos mármores do Pártenon mantém-se firme e não está ligado ao acordo do ‘Brexit’”, disse Petsas, citado pela agência Reuters. “Vamos continuar a exigir a sua devolução, e se pudermos usar esta ferramenta [das negociações com Londres], vamos estudar essa possibilidade a seu tempo.”

O Museu Britânico de Londres recusou-se sempre a devolver as esculturas com 2500 anos que o embaixador da corte britânica em Istambul, Lord Elgin, retirou de Atenas no início do século XIX, quando a Grécia estava sob o domínio turco otomano.

Agora, um rascunho da posição dos 27 países da União Europeia sobre as negociações com o Reino Unido, a que a agência Reuters teve acesso, exige “o retorno e a restituição de objectos culturais ilegalmente retirados aos seus países de origem”.

O documento não especifica nenhum objecto cultural, mas um diplomata da União Europeia disse à Reuters que a frase foi adicionada a pedido da Grécia, com o apoio de Itália.

(…)

Fonte: Público

Artigo completo (+)