Museu do Caramulo restaura claustros do século XVIII

68

claustro_museu_caramulo

Museu do Caramulo, em Tondela, está a restaurar os claustros do século XVIII que serviram de base a toda a estrutura edificada, após 17 anos de angariações e 40.000 euros reunidos.

“Andámos aqui algum tempo, desde 2003, a tentar aprovisionar a receita para fazer isto e realmente aqui foi essencial o programa dos Amigos do Museu. Todos os anos íamos pedindo, já com este objetivo de restaurar o claustro e agora achámos que era o momento certo e inadiável para levar a obra a cabo e assim foi”, explicou Salvador Patrício Gouveia, diretor do Museu do Caramulo.

O responsável contou que o claustro é do século XVIII, foi levado para o Caramulo em 1954, por Abel de Lacerda, “e serviu de base para o museu ser construído à volta” e, “entretanto, o tempo passa e deixa as suas marcas e este claustro já vinha a sofrer de algum desgaste”.
“O edifício do Museu é o segundo edifício a ser construído de propósito para ser um museu e este claustro foi um bocadinho como as vilas romanas que tinham claustros no centro e todo o resto à volta, ou seja, sem janelas, sem nada, já preparado para acomodar peças de arte”, adiantou.
As obras de restauro começaram agora e estão previstas terminar “em pouco mais de um mês”, porque “é preciso aproveitar que é verão, porque são obras ao ar livre, e também o facto de a pandemia ter reduzido um bocado o fluxo de visitantes”.
“O museu continua aberto, até porque as obras não incomodam muito, porque não está no circuito de visita, mas há sempre barulho, umas peças a passarem e algum pó e, por isso, esta altura é ideal”, defendeu o diretor.
Fonte: Jornal do Centro