Escavações arqueológicas descobrem estrutura única na Península Ibérica

220

woodhege_perdigoes
© facebook.com/eraarqueologia

Escavações arqueológicas no complexo dos Perdigões, no distrito Évora, identificaram “uma estrutura única na Pré-História da Península Ibérica”, anunciou esta terça-feira a empresa Era -Arqueologia.

Em declarações à agência Lusa, o arqueólogo responsável, António Valera, disse tratar-se de “de uma construção monumental em madeira, de que restam as fundações, de planta circular e com mais de 20 metros de diâmetro”.

Segundo Valera, esta construção “seria composta por vários círculos concêntricos de paliçadas e alinhamentos de grandes postes ou troncos de madeira, a qual foi já exposta em cerca de um terço da sua planta”.

Trata-se de “uma construção de carácter cerimonial”, um tipo de estrutura apenas conhecido na Europa Central e nas Ilhas Britânicas, de acordo com o arqueólogo responsável, com as designações como ‘Woodhenge’, “versões em madeira de Stonehenge”, ou ‘Timber Circles’ (círculos de madeira).

“Esta é a primeira a ser identificada na Península Ibérica, estando datada entre 2800-2600 antes de Cristo (a.C.), ou seja, será anterior à construção em pedra de Stonehenge [em Inglaterra], para a qual se tem avançado uma cronologia em torno a 2500 a.C.”, sublinhou o arqueólogo.

A estrutura agora identificada localiza-se no centro do grande complexo de recintos de fossos dos Perdigões e “articula-se com a visibilidade sobre a paisagem megalítica que se estende entre o sítio e a elevação de Monsaraz, localizada a nascente, no horizonte”.

(…)

O arqueólogo realçou que “esta descoberta reforça a já elevada importância científica do complexo de recintos dos Perdigões no contexto internacional dos estudos do Neolítico Europeu, aumentando simultaneamente a sua relevância patrimonial”, que foi reconhecida em 2019 com a classificação como Monumento Nacional.

O sítio arqueológico dos Perdigões, nos arredores de Reguengos de Monsaraz, corresponde a “um grande complexo de recintos de tendência circular e concêntrica definidos por fossos, abrangendo uma área de cerca de 16 hectares e tendo um diâmetro máximo de cerca de 450 metros”, segundo informação da Era.

Este sítio está ser escavado há 23 anos pela empresa e tem reunido colaborações de várias instituições e investigadores nacionais e estrangeiros.

Fonte: TSF