Jardim do Paço Episcopal: metáforas de um jardim singular

132

jardim_paco_cb

O Jardim o Paço Episcopal, em Castelo Branco, é um dos exemplos mais originais do Barroco em Portugal. Encomendado pelo bispo da Guarda, D. João de Mendonça (1711-1736), o Jardim é um dos ex-libris da cidade beirã.

Paredes meias com o Museu Francisco Tavares Proença Júnior, o Jardim, traçado ao gosto italiano, estende-se por uma vasta área, dominada por balcões e varandas com guardas de ferro e balaustres de cantaria. Por entre os vários percursos, limitados por sebes de buxo, 5 lagos com repuxos alusivos às 5 Chagas de Cristo.

Para além da arquitetura que lhe confere um enquadramento singular, o Jardim apresenta um conjunto escultórico muito diversificado que alia com particular mestria diferentes dimensões da vivência humana, em percursos temáticos invulgares.

Por entre os canteiros de buxo erguem-se simbólicas estátuas de granito, em que se destacam os Novíssimos do Homem, Quatro Virtudes Cardeais, as Três Virtudes Teologais, os Signos do Zodíaco, as Partes do Mundo, as Quatro Estações do Ano, o Fogo e a Caça. Dispostos à maneira de escadório, encontram-se representados os Apóstolos e os Reis de Portugal até D. José I., assim como o Conde D. Henrique. Aqui, os Filipes apresentam uma estatura inferior aos demais, sublinhando, assim, uma presença indesejada, assim como o conde D. Henrique, adepto da causa castelhana. No patim superior, encontram-se estátuas alusivas ao Antigo Testamento e à simbologia da água como elemento purificador.

A área do Jardim é delimitada por muros revestidos com painéis de azulejos figurativo, monocromo, azul sobre fundo branco, representado, entre outros. Várias vistas de Castelo Branco e a Capela de São João.

Muito para descobrir num Jardim singular. Uma visita que vai valer muito a pena!

R. Bartolomeu da Costa 5
6000-773 Castelo Branco