Braga Capital da Cultura do Eixo Atlântico reabre a 21 de fevereiro

273

braga_capital_eixo_atlantico

O Município de Braga procede, no dia 21 de fevereiro de 2021, no Fórum Braga, à (re)abertura formal da Capital da Cultura do Eixo Atlântico, iniciativa programada para o ano em curso, mas adiada devido à pandemia do covid-19.

Em documento já votado na Câmara, a vereadora da Cultura, Lídia Dias, salienta que “os grandes destaques da programação são: o ZZ – Festival de Jazz de Braga, que passa a integrar as dinâmicas culturais da cidade, o programa de arte pública BeO (Braga em Obras), o festival de cultura urbana Fenda e o Noroeste – Festival de Música Contemporânea de Raiz. Também o Poesia ao Centro, B de Dança, Braga Romana, Feira do Livro, MIMARTE – Festival de Teatro e Festival Internacional de Folclore procurarão criar pontes com a Galiza e o Norte de Portugal.

Acrescenta que “o Convergências Portugal-Galiza e o Festival Castro-Galaico, que têm na sua matriz o diálogo com a Galiza, verão a sua programação especialmente reforçada”. No plano, entre outras ações de intercâmbio entre os 28 Municípios que constituem o Eixo Atlântico, integram-se ainda encontros científicos e de reflexão, exposições, um ciclo de cinema galego, um prémio de ilustração no âmbito do Braga em Risco – Encontro de Ilustração. Em dezembro, também integrado na iniciativa Braga é Natal, decorrerá a primeira edição do Festival de Marionetas e Formas Animadas.

“A Capital de Cultura será um dos momentos fulcrais para o fortalecimento do vínculo de Braga com a Euro região, que tem vindo a ser renovado nos anos mais recentes”, sublinha a vereadora.

E, a concluir, afirma que, “dada a afirmação da Cultura como prioridade no âmbito da ação municipal – opção confirmada pela declaração de Braga como Cidade Media Arts da UNESCO e pela ambição de ser Capital Europeia da Cultura em 2027 – o acolhimento da Capital da Cultura do Eixo Atlântico é um passo determinante no processo de envolvimento da comunidade numa crescente dinâmica de criação e fruição cultural”.

Fonte: O Minho

Siga-nos