Campanha “O Museu é meu” arranca em Évora e quer reaproximar as pessoas destes espaços

163

museu_e_meu

A Direção Geral do Património Cultural lança uma nova estratégia para a criação de novos públicos, com a população local de Viseu e Évora

Esta nova campanha nacional da DGPC para novos públicos, “O Museu é Meu” é produzida pela Manicómio the Agência e pretende humanizar o espaço museológico com base em três pilares: pessoas, arte e abertura ao local.

Os locais serão os protagonistas da campanha que começou segunda e terça-feira, 17 e 18 de maio,  em Évora e em Viseu, e que nos próximos três anos terá ações por todo o país.

“O Museu é Meu” é a nova campanha da Direção Geral de Património Cultural, que quer nos próximos três anos reaproximar e abrir os museus, monumentos e palácios (MMPs) a novos públicos em Portugal. Este novo ciclo de comunicação e atividades vai utilizar arte, inovação e provocação para colocar as pessoas no centro da estratégia museológica e dar uma nova vida aos museus locais, tornando estes espaços relevantes para as comunidades onde se inserem.

“Para a DGPC – Esta é uma nova oportunidade em contexto ainda pandémico de reinventarmos os museus, monumentos e palácios portugueses e de reatarmos a relação destes espaços com os cidadãos”, revela Helena Martelo, Chefe de Divisão de Comunicação e Informático, Direção-Geral do Património Cultural.

Os protagonistas de “O Museu é Meu” serão as pessoas, de todas as idades (crianças, jovens, adultos e séniores), que irão “invadir” as ruas, de colagem de cartazes à promoção, dando assim o pontapé de saída a uma nova fase de comunicação e de liberdade pós-pandémica que quer envolver todos os museus de norte a sul do país e ilhas nos próximos três anos. “O Museu é Meu” terá a duração de três anos e é produzida pela Manicómio the Agência, um novo estúdio criativo e de design em Lisboa, que utiliza comunicação, design e arte para criar impacto.

Fonte: DGPC

 

Siga-nos