Espólio do criador de Brasília doado à Casa da Arquitetura

74

arquiteto_lucio_costa

O espólio do arquiteto e urbanista brasileiro Lúcio Costa, criador de Brasília, foi doado à Casa da Arquitetura – Centro Português de Arquitetura, em Matosinhos, anunciou esta terça-feira a instituição, que se compromete a divulgar o acervo numa plataforma em 2022.

O acervo, doado pela família do arquiteto, engloba cerca de 11 mil documentos de 1910 a 1998, incluindo cinco cadernos de anotações e esboços que atestam as viagens de Lúcio Costa a Portugal, em 1948 e 1952.

Lúcio Costa, que morreu em 1998, no Rio de Janeiro, aos 96 anos, é autor do Plano Piloto de Brasília, projeto que deu origem à cidade e capital brasileira, inaugurada em 1960.

“É uma honra e uma distinção para a Casa da Arquitetura acolher o património desta figura ímpar do modernismo”, expressou o seu presidente, José Manuel Dias da Fonseca, citado numa nota de imprensa pela instituição portuguesa.

Do espólio doado à Casa da Arquitetura constam textos, desenhos pré-concurso e outros elementos do Plano Piloto de Brasília, assim como documentos relativos aos projetos da Casa do Brasil em Paris, do Jockey Club do Rio de Janeiro, do Museu das Missões e do Pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova Iorque de 1939.

Há igualmente registos fotográficos e videográficos de caráter pessoal e familiar, troca de correspondência entre Lúcio Costa e os arquitetos Le Corbusier, incluindo desenhos originais deste, e Oscar Niemeyer, com os quais trabalhou.

O vasto acervo documental integra ainda artigos de jornais, revistas, cartazes, álbuns de família, postais, mapas, plantas, esboços, desenhos e apontamentos em envelopes, folhas de rascunho e cartões de visita.

A Casa da Arquitetura compromete-se a conservar o espólio e a divulgá-lo numa plataforma digital, com lançamento previsto para janeiro de 2022.

Fonte: Observador