Ciclo de Encontros com o Património no Museu D. Diogo de Sousa: segunda sessão

54

ciclo_patrimonio_braga_2

O Museu D. Diogo de Sousa, em Braga, volta a ser palco no próximo dia 16, às 18h00, de mais uma ‘Conversa no Museu’, iniciativa inserida no Ciclo de Encontros com o Património que dá a conhecer as principais obras da Colecção Bühler-Brockhaus.

A iniciativa, promovida pela Fundação Bracara Augusta em parceria com o Museu D. Diogo de Sousa e a Direcção Regional de Cultura do Norte, conta com a participação de Rui Morais, da Universidade do Porto, arqueólogo e reconhecido especialista internacional em arqueologia do período clássico.

Num cenário de reestruturação da actividade da Fundação, que coincide com os seus 25 de actividade e de reorientação para matriz da sua génese fundacional assente nas áreas do património e da cultura, a Fundação procura contribuir para a criação de dinâmicas de reflexão, estudo e investigação, e divulgando a riqueza das colecções e do trabalho desenvolvido em Braga.

Nesta segunda sessão do Ciclo de Encontros com o Património’, é analisado um retrato de Trajano, o primeiro imperador não itálico, nascido na Península Ibérica. Trata-se de um retrato que exalta as qualidades humanas e que conserva a expressão da heroicidade militar.

Percorrendo as obras de arte da Colecção Bühler-Brockhaus, são destacadas outras esculturas em mármore, como um torso com couraça de tipo militar, três estátuas de divindades femininas, que ilustram, respectivamente, a deusa da caça, uma Musa inspiradora das artes, e uma estátua monumental de uma mulher sentada, símbolo da modéstia, da virtude e da castidade.

A sessão termina com a apresentação de duas pequenas esculturas em mármore que ilustram o tema de um rapaz em luta com um ganso e do imperador Cómodo na pele de jovem Hércules, lutando contra duas serpentes.

As inscrições são limitadas ao máximo de 20 pessoas, a confirmar para o e-mail: fba@cm-braga.pt.

A iniciativa é transmitida em livestreaming na página de Facebook da Fundação Bracara Augusta e do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa.

Fonte: Press Minho

Siga-nos