Museus da Marinha Grande

23

dim_2024_oficial

Os museus da Marinha Grande vão estar em festa para celebrar o Dia Internacional dos Museus, no próximo sábado, 18 de maio, com uma visita orientada pelo arqueólogo Jorge Custódio, que vai dar a conhecer curiosidades do Palácio Stephens, onde está instalado o Museu do Vidro, e um espetáculo de bailado, no Museu Joaquim Correia.

A iniciativa, de participação gratuita, é organizada pelo Município da Marinha Grande, com o objetivo de divulgar os museus municipais e atrair cada vez mais público a estes espaços.

O programa da comemoração do Dia Internacional dos Museus 2024 na Marinha Grande é o seguinte:

18 de maio . 10h30 . Museu do Vidro
Visita Temática de Tema Industrial

Tema: De Residência de Guilherme Stephens a Museu do Vidro
Por Jorge Custódio

Residência de Guilherme Stephens

1 – A Residência da família Stephens na Marinha Grande: Guilherme & João Diogo Stephens negociantes e empresários da fabricação de vidraça e vidros cristalinos.
2 – Arquitetura, planta, construção, orientação, pisos e decoração.

Piso Térreo da Residência e Jardim
3 – A organização da residência: principais divisões
4 – O Jardim da Residência e o seu património integrado.

Casa da Ópera / Teatro Stephens
5 – A Casa da ópera / teatro (entrada pelo jardim).
6 – Dias fastos e nefastos (1771-1826): visitantes ilustres; rainha Maria I e sua família; sequestro e saque nas invasões francesas; Diogo Stephens e o legado de 1826; a residência cedida temporariamente ao administrador da Mata Nacional.
7 – O Palácio Stephens no tempo dos administradores e dos serviços administrativos da Fábrica de Vidros

Piso 1 e 2 – As funções da Residência entre 1826 e 2024
8 – Os salões da música, das recepções e baile e do jogo e os quatros do piso 1 e 2.
9 – Casa de habitação de Acácio de Calazans Duarte (administrador da Nacional e da FEIS, entre 1928 e 1966).
10 – O novo destino do Palácio – Museu do Vidro: das primeiras exposições ao projeto do Museu.

A Residência dos Stephens enquanto Núcleo I da reorganização do Museu do Vidro de Portugal

Público-alvo: geral.
Duração: 120 minutos
Limite de participantes: 25 pessoas.

Participação: gratuita, sujeita a inscrição prévia através do e-mail museu.vidro@cm-mgrande.pt , indicando nome e n.º de telemóvel.

 

18 de maio . 17h00 . Pátio do Museu Joaquim Correia
Bailado “Alice no país das maravilhas”
Por Rosales Ballet

Alice deixa-se levar pela sua curiosidade e persegue um coelho até à sua toca. Ao cair na toca, entra num mundo de fantasia onde vive as maiores aventuras.

Para celebrar o Dia Internacional dos Museus, cujo tema em 2024 é “Museus, Educação e Pesquisa”, o Museu Joaquim Correia convidou a escola de dança Rosalles Ballet para apresentar o bailado Alice no país das maravilhas. As escolas são importantes grupos para os museus trabalharem a educação de públicos. Lewis Carroll, professor de matemática, autor do livro que deu origem a este bailado homónimo, sabia como uma boa narrativa poderia ser veículo de conhecimentos e despertar reflexão. Também os museus contam histórias, usando os objetos que expõem. Mas para que a história seja credível juntos dos visitantes, a pesquisa tem de estar na base da preparação e na mediação da exposição; só assim os museus cumprem com a sua função privilegiada de educadores.

Ficha técnica
Coreografia: Annabel Rosalles
Música: Vários

A partir do filme Alice no país das maravilhas, da Disney (baseado na obra de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas)

Interpretação: Escola de dança Rosales Ballet

Parceria: Município da Marinha Grande/ Museu Joaquim Correia e Rosalles Ballet

Participação: livre e gratuita.

 

Siga-nos